Secretária e Undime-AL discutem financiamento da Educação
por Assessoria - publicado em 18/10/2017 às 10:10

A secretária municipal de Educação, Ana Dayse Dorea, recebeu em seu gabinete o presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação de Alagoas (Undime-AL), Marcelo Beltrão e representantes das secretarias municipais de Economia ( Semec) e de Gestão (Semge). A visita que aconteceu nesta segunda (16) teve como objetivo principal discutir o financiamento da Educação Pública Municipal, e suas alternativas.

Na oportunidade, os gestores discutiram vários pontos, dentre os quais, a necessidade de ação que viabilize o financiamento da educação pública das redes municipais, a política de valorização dos professores e a queda do repasse do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) no ano corrente.

A reunião teve caráter técnico. A Undime pontuou questões que afetam também em outros municípios, como a queda do repasse do Fundeb, atrelado à queda nas matrículas. A secretária Ana Dayse lembrou que existe  uma crise instalada no país e que diante disso, é necessário pensar medidas que possam garantir a continuidade da melhoria da Educação e sua sustentação orçamentária/financeira. “Precisamos pensar em algumas ações para assegurar a sobrevivência da educação pública de qualidade, essa reunião aqui tem esse propósito”, frisou a secretária.

Ana Dayse destacou ainda que a participação do presidente e dirigentes da Undime na reunião foi fundamental para definir medidas de curto, médio e longo prazos que resultem em benefícios para a Educação, sempre pensando no atendimento de qualidade ao aluno.

 

O secretário adjunto de Governança da Educação, João Carlos Barbirato, pediu ao presidente da Undime-AL mais apoio, considerando que o financiamento do Fundeb não é suficiente para as necessidades reais da Educação nos municípios. “O financiamento da Educação pelo Fundeb está fora da realidade do município de Maceió, e essa questão deve ser revista em Brasilia. Esse ano, fechamos nossa matrícula em cerca 57 mil alunos, seis mil a mais do que no ano anterior. O número é muito expressivo e trará mais recursos,  desde que não diminua o valor per capita, o que está acontecendo neste ano, com as frustrações de repasses do Fundeb pelo Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação (FNDE)”, afirmou o secretário.

Compartilhe
Comente esta notícia
0 Comentários
Publicidade
Publicidade