Dermatologista da Sesau dá dicas sobre cuidados com a pele no verão
por Assessoria - publicado em 13/01/2018 às 19:01

Assessoria

O verão chegou e com ele a tentação de passar muito tempo debaixo do Sol, sendo difícil resistir às praias, piscinas e atividades ao ar livre da estação mais quente do ano. Mas o perigo para a pele está justamente aí. Isso porque, como a exposição à radiação ultravioleta é a principal causa do câncer e do envelhecimento precoce, os cuidados diários devem ser redobrados, para que as pessoas possam curtir as temperaturas elevadas e os dias mais claros, sem deixar marcas no rosto e corpo, que possam comprometer a saúde da sua pele.

 

Segundo a dermatologista da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), Cleide Vieira, o básico da proteção é o uso do protetor solar UVA e UVB e, no verão, o fator de proteção deve ser maior. Para a dermatologista da Sesau, até mesmo embaixo da barraca, na praia, deve-se usar o filtro solar, porque a pele pode ser afetada pelo reflexo do Sol na areia.

 

“O protetor solar deve ser um hábito diário, porque o Brasil é um dos países com maior nível de radiação do mundo. Os índices de raios ultravioletas são altos em todas as épocas do ano, e os danos que o Sol causa na pele são cumulativos”, explica. 

 Cleide Vieira, dermatologista da Sesau, dá dicas para cuidar da pele durante o verão (Foto: Carla Cleto)

O cuidado deve ser redobrado com as crianças, principalmente aquelas que ficam muito tempo na água. De acordo com Cleide Vieira, os filtros solares para essas crianças devem ser os resistentes à água. Nesses casos, o protetor deve ser reaplicado a cada hora. “É bom ficar atento. Mesmo usando filtro, a criança não estará blindada aos efeitos nocivos do Sol. Outra medida de suma importância é evitar o Sol entre 10h e 16h. Não é recomendável deixá-los horas a fio na água. Uma pausa embaixo da barraca ou na sombra deve ser ensinada aos pequenos”, orienta. 

 

A dermatologista da Sesau diz que os filtros com fatores de proteção solares mais altos ficam mais tempo na pele, o que é ideal para esta época do ano. “Os raios ultravioletas (UV) são radiações eletromagnéticas emitidas pelo Sol, capazes de afetar a nossa pele. Os raios UVA têm ondas mais longas e penetram profundamente na pele, chegando até a derme. Estão presentes o ano e o dia inteiro e seu efeito cumulativo pode desencadear fotoenvelhecimento, desordens pigmentares como melasma, alergias cutâneas, além do câncer de pele. Enquanto os raios UVB têm ondas mais curtas e penetram superficialmente, chegando até a epiderme, predominando das 10h às 16h”, explicou.

 

Quanto protetor devo passar? Não dá para economizar para o tubo de protetor solar durar mais tempo, pois segundo a médica, o produto deve ser espalhado com generosidade. As medidas aproximadas para proteger todo o corpo são: meia colher de chá de protetor no rosto; meia colher de chá para cada braço; uma colher de chá para cada perna; uma colher de chá para o dorso dos pés; uma colher de chá para o tronco e outra para as costas. Lábios e orelhas são áreas também sujeitas ao câncer de pele e não podem ser esquecidas.  

 

Além disso, para garantir a eficácia do produto, o ideal é reaplicar a cada duas horas, ou antes, caso você transpire muito ou entre na água do mar ou da piscina. Mesmo se o produto for resistente à água, é necessária a reaplicação. A menos que o protetor solar seja específico para aplicação na pele molhada, você deve se secar antes de reaplicar o produto.

 Dermatologista dá dicas para cuidados com a pele no verão (Foto: Carla Cleto)

Cleide Vieira explica que alguns protetores solares desenvolvidos para o corpo são mais densos e oleosos que os protetores feitos especialmente para o rosto. “Se você tem pele oleosa e predisposição para ter espinhas, o protetor do corpo pode piorar a situação. Prefira protetores solares desenvolvidos para a pele do rosto, que é mais delicada”, recomenda.

 

Prevenção - Desde muito cedo, os irmãos Larissa Bertanzin, 20 anos, e Pedro Paulo Bertanzin, 16 anos, cuidam da pele religiosamente. Entre as medidas para diminuir a exposição ao Sol, além do uso do protetor solar, os turistas de Goiás, não abrem mão dos óculos escuros, chapéus, roupas que protegem do Sol e locais com muita sombra. Também são adeptos de cápsulas de betacaroteno, ricas em ativos antioxidantes, que potencializam o uso do protetor tradicional.

 

“No início não gostava muito de usar o protetor solar porque minha pele ficava muito oleosa. Mas, depois que eu aprendi que para cada tipo de pele existe uma formulação específica, tudo ficou mais fácil. Seja inverno ou verão, ele é indispensável, pois ajuda a prevenir queimaduras graves que podem ser provocadas pela exposição excessiva ao Sol, ou em horários inapropriados, causando o envelhecimento precoce, até mesmo o câncer”, disse Pedro Paulo. 

 Irmãos Larissa e Pedro Paulo Bertanzin cuidam da pele religiosamente (Foto: Carla Cleto)

“Quando começamos a ir à praia, bem pequenininhos, nossos pais passavam o filtro solar todos os dias e, conforme o tempo foi passando, não perdi o hábito. Esse é um dos motivos que levou minha pele a ter um tom uniforme e não apresentar manchas”, completou Larissa, ao aplicar uma camada generosa de creme na pele, antes de cair no mar de tom verde, morno e cristalino da praia de Ponta Verde.

 

Mais Proteção – Outras formas de proteção solar são o uso do chapéu com abas, boné e óculos escuros. O couro cabeludo e os olhos também são áreas que precisam estar protegidas. Tramas de tecidos com FPS, para camisetas UV, complementam a proteção. Além disso, o envelhecimento precoce, pesadelo de muitas pessoas, também está diretamente ligado ao consumo de água. 

 

Segundo a dermatologista, beber pouca água e não ingerir alimentos coloridos e saudáveis causa desidratação na pele e diminuição de sua sustentação, o que a torna flácida e sem viço. “A água, além de deixar a pele firme e hidratada, ainda favorece a excreção de toxinas e substâncias irritantes, que podem danificar e causar o envelhecimento da pele”, frisou.

 

No banho pós-praia, a dermatologista recomenda passar um bom hidratante tanto no corpo quanto no rosto, visto que a pele perdeu muito da hidratação natural devido ao Sol e à água salgada ou colorada. Portanto, é hora de repor. Os cremes que contêm ingredientes naturais, como aloe vera, que suavizam inflamações e irritações e nutrem a pele, e extrato de camomila, calmante natural, que melhoram a vermelhidão, são os mais indicados. 

Compartilhe
Comente esta notícia
0 Comentários