Artigo: “Você acredita que 2017 foi um ano difícil? ”
por José Senivaldo Liberato - publicado em 31/12/2017 às 06:12

Prof: José Senivaldo Liberato

Algumas pessoas comentam em redes sociais e de conversas, sim elas (rodas de conversas) ainda existem, que o ano de 2017 foi um ano extremamente difícil.  Será mesmo?

 

Pergunto isso porque muitas pessoas se queixam de que teria que ter “conquistado” algo em 2017 e não conquistaram, quando na verdade elas deveriam estar se perguntando: O que fiz em 2017 para ter conquistado o que de fato deveria? Minhas ações foram assertivas? Meu comportamento como funcionário, cidadão, ou qualquer outro papel que exerci em meu contexto social foi ético? Minhas posturas diante de situações difíceis foram de entender o que ocorreu ou de colocar a culpa em terceiros?

 

Quer saber se o ano foi ruim mesmo? Olhe ao seu redor, veja as pessoas que perderam parentes e amigos durante 2017, pergunte a quem ficou reprovado na escola, na faculdade; pergunte aquele que perdeu o emprego, uma fonte de renda, ou até mesmo aquela pessoa que perdeu um amor. Talvez, eles digam para você que o ano foi difícil, ou alguns ainda digam, que poderia ter sido pior.

 

Mesmo com a economia mostrando sinais de recuperação (e não vou entrar nesta seara para não fugir do assunto proposto), muitos ainda criticam dizendo que está ruim. Já parou para pensar que nós reclamamos demais de tudo e de todos? Buscamos sempre um culpado para nossas frustrações e decepções, onde muitas vezes, nós é que esquecemos de fazer a nossa parte.

 

Todos os anos, tanto no final quanto no início, ministro oficinas de metas pessoais, e percebo que muitos dos participantes descobrem algo mágico nestas oficinas: “Somente elas podem mudar o futuro! ” Parece clichê, mas é a pura verdade. (Acesse o link para ver quando será a próxima). Elas percebem que somente suas ações são responsáveis pelo seu futuro e sucesso pessoal e profissional. Não é autoajuda, é técnica da administração voltada para a gestão pessoal.

 

O mais engraçado é que descobrimos isto da forma mais simples e ainda ficamos duvidando dizendo: “Mas é só isso? ” Sim, é! Não existem três pulinhos, uma voltinha, duas danças indígenas e outra mandiga qualquer para fazer dar certo. O único responsável pelo seu sucesso é você mesmo! Existem diversos livros de autoajuda, motivacionais e até mesmo os que são escritos pelos “empreendedores de palco” que falam sobre isso. Mas, porque todos falam do óbvio? Ora, porque é fácil! 

 

Se você ficar somente reclamando sua vida não mudará! E lá no final de 2018, quando estiver escrevendo outra matéria como esta, você que está lendo agora poderá estar em duas situações distintas: A primeira, você vai lembrar dessa matéria e dizer que fez diferente ou a segunda opção, dizer que tudo foi ruim mesmo e que a culpa é de qualquer um que esteja exercendo o poder. Mas, lembre-se a única pessoa que tem poder sobre sua vida é você mesmo.

 

Se deseja realmente ter um ano novo, tenha novos hábitos! Leia mais, estude mais, passeie mais, sorria mais, ame mais. Busque fazer coisas novas e positivas. Seja uma nova versão de você mesmo!

 

Um feliz NOVO VOCÊ em 2018!

 

Sucessos e até a próxima!

 

José Senivaldo Liberato

 

 

Professor Universitário, Palestrante Inspirador e Sócio-Diretor da A+ Consultoria Empresarial e Pessoal. senivaldoamais@gmail.com  

Compartilhe
Comente esta notícia
0 Comentários